Pular para o conteúdo

CAMPAÑAS DEL SIGLO XXI – por Carlos Fara

16/11/2018

Captura de Tela 2018-11-16 às 14.45.03.png

Por: Carlos Fara*

De esto se debatió fundamentalmente en la 51 conferencia anual de la IAPC –International Association of Political Consultants – celebrada en Sydney entre el domingo 11 y el martes 13 pasados.

Qué es lo que las hace diferentes de las del siglo XX? Fundamentalmente:

1 – la bi direccionalidad: ahora no solo hablan los políticos, todo el mundo habla e instala temas;

2 – la conversación sobre un tema comienza muchas veces en la base, y ya no solo en el vértice de la pirámide social;

3 – los medios masivos tradicionales han dejado de ser el gran intermediario entre la dirigencia y la gente, sino que el poder se ha dispersado;

4 – la vertiginosidad de la dinámica: a cualquier hora, cualquiera instala un debate, y a la misma velocidad que algo cobra cuerpo también se desinstala;

5 – la mayor volatilidad de la opinión pública, que como electorado se ha ido desregulando progresivamente en los últimos 30 años;

6 – la sobredosis de información producida, lo cual da lugar a una mayor manipulación (como las fake news); y

7 – las nuevas tecnologías que –vía los algoritmos– dan una capacidad de instalación micro segmentada, casi específicamente para los intereses de cada individuo.

Esto llevó a debatir cuestiones como:

la ciberseguridad de los gobiernos y los partidos políticos;

el incremento de la inversión en medios digitales: en las campañas de este año en EE.UU. se proyecta que la inversión en publicidades en televisión ya solo duplica a la de medios digitales;

el arte de hacer un bypass a los medios tradicionales mediante el uso de Twitter, como en el caso de Trump;

la generación de ciber líderes populistas: hacen un uso muy profesional de las redes sociales; o

la progresiva tendencia a usar más los referéndums para la definición de grandes decisiones políticas –como en el caso del Brexit y el tratado de paz en Colombia– pasando de la democracia (gobierno para el pueblo) a la omnicracia (gobierno del pueblo).

Por supuesto que en el medio surgen cuestiones de fondo y éticas – por ejemplo si el estilo Trump y su relación con la prensa son o no repudiables, o las manipulaciones de los procesos electorales a partir de actores internos y externos de un país. Sin embargo, más allá de eso, de los comentarios de los colegas – mayormente americanos, pero también varios europeos, australianos y solo 3 latinoamericanos en este caso – se resaltaron las siguientes cuestiones:

1 – todos los fenómenos políticos se están globalizando, ergo todo el mundo se pregunta dónde surgirá el próximo Trump o Bolsonaro;

2 – la vertiginosidad llegó para quedarse y eso implica que nadie se puede quedar dormido en materia de tecnologías de la comunicación;

3 – así como ha cambiado mucho esta materia en los últimos 10 años – desde el primer triunfo de Obama como hito del uso de las redes sociales – esperamos cambios inevitables e imprevisibles en los próximos 10, que hará que quede viejo todo lo que hoy damos por sentado.

Campañas del Siglo XXI” fue originalmente publicado en la Revista 7 Miradas.
Carlos-Fara
*Carlos Fara
es Consultor Político, CEO de Fara & Asociados, en Argentina, Ex Presidente de la ALACOP – Asociación Latinoamericana de Consultores Políticos, autor de vários artículos y libros, entre ellos, “Cómo ser un consultor político? Todas las herramientas necesarias para iniciarse en la profesión”. 

Anúncios

Elecciones en Brasil: Alea jacta est

31/08/2018

urna-eletronica

Hoy empieza la propaganda electoral en rádio y TV en Brasil, medios que tienen historicamente un poder enorme en los procesos electorales del país. Abajo, en el enlace, un artículo Financial Times, “Las Elecciones Presidenciales en Brasil serán un momento decisivo“,  traducido al español por el periódico Folha de São Paulo, sobre el actual momento.

Es una visión general para aquellos que quieren conocer un poquito más el escenario. Faltó apenas la información de que la prensa viene divulgando resultados de encuestas estimuladas hace muchos meses, con la polarización entre Lula (izquierda), detenido por la justicia, y Bolsonaro (derecha), pero no hace una aclaración sobre los enormes índices de blancos, nulos y abstenciones.

En Brasil el voto es obligatorio y en las elecciones de 2016 ese fenómeno ya impactó los resultados de muchas ciudades importantes, como el Rio de Janeiro, por ejemplo, donde 47% de los electores no votó a nadie.

Así como está escrito en el artículo “Como consecuencia de la peor recesión y el mayor escándalo de corrupción de Brasil, en lugar de confianza hay furia popular“.

Alea jacta est!

Artículo:
LAS ELECCIONES PRESIDENCIALES DE BRASIL SERÁN UN MOMENTO DECISIVO

Durante tres décadas, dos figuras han destacado en la política brasileña. La primera de ellas, Fernando Henrique Cardoso que estabilizó la economía y sentó las bases para el auge económico de los años 2000. El segundo, el sucesor de Cardoso como presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, que amplió los programas sociales y proyectó una nueva confianza en el exterior.

En tan solo ocho años, esa confianza se ha esfumado. Como consecuencia de la peor recesión y el mayor escándalo de corrupción de Brasil, en lugar de confianza hay furia popular. Esto llegará a su punto más crítico en las elecciones presidenciales de octubre, y no es exagerado decir que estamos ante un momento existencial para Brasil. La campaña ha inquietado profundamente a los inversores que ya estaban preocupados por los mercados emergentes.

Para ler el artículo completo: https://www1.folha.uol.com.br/internacional/es/opinion/2018/08/las-elecciones-presidenciales-de-brasil-seran-un-momento-decisivo.shtml

Afinal, o que é permitido e o que é proibido na fase de pré-campanha eleitoral?

13/07/2018

Por Karina Kufa, Amilton Augusto Kufa e Frederico Franco Alvim (para ver a matéria original no Conjur, clique aqui)

Nas eleições de 2016 tivemos uma impactante mudança legislativa: a diminuição do período de campanha de 90 para apenas 45 dias.

Essa mudança veio acompanhada da inclusão do artigo 36-A na Lei 9.504/97, o qual relacionou os atos permitidos antes do estreito período de embate oficial, visando, com isso, possibilitar que os pré-candidatos pudessem promover as suas ideias, projetos e plataformas políticas, além do que já era permitido.

Antes dessa alteração, proibia-se quaisquer alusões à candidatura, antes da formalização de seu registro. Hoje, a regra é clara e sabida por todos: pode-se apresentar como pré-candidato, desde que não se realize pedido de votos.

Contudo, até o último dia 26, algumas dúvidas pairavam. Em especial, havia dúvidas quanto à possibilidade de realização de gastos, assim como sobre a delimitação do impedimento relativo ao “pedido explícito de votos”. Essas dúvidas foram solucionadas pelo Tribunal Superior Eleitoral, no julgamento do AgR-AI 9-26/SP.

Vencido o cenário de incertezas, pode-se, em suma, afirmar que:

  • Atos publicitários sem cunho propriamente eleitoral, como mensagens de felicitação pelo aniversário da cidade, celebrações de dias festivos, homenagens e etc. estão absolutamente permitidos, com ou sem gastos de recursos pessoais e mesmo com formas de exposição vedadas em campanhas eleitorais (outdoor, p. ex.), por se tratarem de “indiferentes eleitorais”;
  • O “pedido explícito de voto” deve ser considerado de forma restrita, existindo somente quando presente uma comunicação frontal e direta com o eleitor, da qual se extraia o uso do verbo votar ou de expressões que carreguem o mesmo sentido (“vote em”, “eleja tal”, etc.).
  • Quando ausente o pedido de voto, o ato de comunicação é, em princípio livre. Porém, a difusão de conteúdos “propriamente eleitorais” (como a menção à candidatura, a exaltação de qualidades pessoais ou a divulgação de plataformas políticas) não pode ser feita mediante formas vedadas no período oficial (outdoor, brindes, placas, etc.), havendo de se restringir a plataformas lícitas (internet, panfletos, adesivos, etc.).
  • O uso de recursos financeiros está autorizado no período de pré-campanha, desde que feito com moderação. A única exigência é de que seja compatível com as possibilidades do “candidato médio”. Com isso, fica autorizada a realização de pequenas despesas, como a contratação de materiais gráficos (adesivos, folhetos informativos, etc);
  • O ministro Luiz Fux, em seu voto, respaldando a viabilidade de gastos com moderação, afirmou que “a completa exclusão do dinheiro acarretaria graves limitações fáticas ao exercício da liberdade de expressão, máxime porque mesmo as formas mais comezinhas de propaganda carregam, naturalmente, os seus respectivos custos intrínsecos.”

Para além dessa “zona nebulosa”, existem atividades expressamente permitidas pela Lei das Eleições, em seu artigo 36-A. São elas:

1) A participação de filiados a partidos ou de pré-candidatos em entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na tv e na internet, inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos, observado pelas emissoras o dever de conferir tratamento isonômico.

Nesses casos, permite-se o pedido de “apoio político”, assim como a divulgação da pré-candidatura e das ações que se pretende desenvolver. A exceção fica para os profissionais da comunicação que, no exercício da profissão, estão impedidos de extrair vantagens de sua ampla exposição.

2) A realização de encontros ou congressos, em ambiente fechado, para tratar da organização das eleições, discussão de políticas públicas, planos de governo ou formação de alianças, podendo tais atividades ser divulgadas pelos instrumentos de comunicação intrapartidária.

Após o julgamento referido, entende-se que a divulgação desses encontros poderá ser feita, também, pelos pré-candidatos, que, nessa atividade, poderão realizar gastos módicos.

3) A realização de prévias partidárias e a respectiva distribuição de material informativo, a divulgação dos nomes dos filiados que participarão da disputa e a realização de debates entre os pré-candidatos;

4) A divulgação de propaganda intrapartidária com vista à indicação do nome do pré-candidato não pode ser realizada através de rádio, televisão e outdoor.

5) A divulgação de atos de parlamentares e debates legislativos, desde que não se faça pedido de votos. Nessa permissão, inclui-se a produção de materiais gráficos a cargo do gabinete para a prestação de contas do mandato do deputado federal, estadual ou vereador.

6) A divulgação de posicionamento pessoal sobre questões políticas, inclusive nas redes sociais, permitido o impulsionamento, desde que de forma moderada.

7) A realização, a expensas do partido, de reuniões de iniciativa da sociedade civil, de veículo ou meio de comunicação ou do próprio partido, em qualquer localidade, para divulgar ideias, objetivos e propostas partidárias.

Essa previsão alberga a realização de encontros em espaços abertos, podendo, assim, ser realizados em vias públicas, desde que respeitadas as regras municipais e de segurança pública, buscando a preservação dos equipamentos urbanos e lugares públicos.

Contudo, mantém-se a proibição de fixação de material de propaganda em espaços públicos. A permissão seria apenas para a exposição de ideias, a divulgação de plataformas de campanha ou planos de governo, podendo, inclusive, dispor de mesas para a distribuição de material de campanha e o uso de bandeiras ao longo das vias públicas, desde que essas peças sejam móveis (mantidas das 6h às 22h) e não atrapalhem o bom andamento do trânsito de pessoas e veículos.

8) A campanha de arrecadação prévia de recursos via crowdfunding, a partir de 15 de junho de 2018, podendo o pré-candidato utilizar das redes sociais para solicitar a participação da sociedade na doação para campanha futura.

Nesse único caso, é expressamente vedado pelo parágrafo 2º do artigo 36-A da Lei nº 9.504/97 o pedido de apoio político e a divulgação da pré-candidatura, das ações políticas desenvolvidas e das que se pretende desenvolver. Contudo, chega a ser um contrassenso, pois o eleitor não será estimulado a doar sem conhecer das propostas e do cargo que estará em disputa.

Destaca-se que, materiais produzidos na pré-campanha devem manter a moderação de gastos e somente podem ser confeccionados nas formas permitidas: cartões de visita, folhetos e demais impressos, bandeiras, perfurados em veículos e adesivo plástico, desde que não exceda a 0,5 m² (meio metro quadrado), evitando-se a caracterização do abuso do poder econômico, o que pode gerar a cassação do registro ou mandato.

Apesar a postura liberalizante, a Justiça Eleitoral conserva a competência para intervir em face de abusos. Assim sendo, destaca-se que não apenas o pedido explícito de voto, como ainda a realização de gastos excessivos ou o uso de instrumentos inadequados podem atrair a intervenção do Judiciário, acarretando, a depender do caso, a aplicação de multas ou a cassação de mandatos.

Como se vê, exige-se do pré-candidato bom senso e cautela, quanto mais agora, quando, finalmente, a classe política sabe onde pisa.

Polaris Awards premia profissionais de comunicação política.

21/03/2018

Premiados Polaris Awards 2018

A 23ª Reunião Anual das Associações Europeias de Consultores Políticos (EAPC), organizada em Londres de 13 a 14 de março, reuniu líderes políticos, consultores, gerentes de campanha, pesquisadores e acadêmicos de 21 países para discutir o principal tópico sócio-político do século XXI: Polarização.

A conferência anual também hospedou o Polaris Awards, uma competição global para ativistas, gerentes de campanha, líderes, ONGs, inovadores e trabalho excepcional dentro das comunicações políticas, campanhas eleitorais e setores de relações públicas. Sendo realizado pela segunda vez, o Polaris Awards recebeu candidatos dos Estados Unidos, Argentina, México, Brasil, Alemanha, Turquia, Suécia e Noruega, entre outros países. Um júri internacional de 22 pessoas, composto por gestores de campanha e estrategistas políticos, avaliou os projetos participantes e, após um processo abrangente de avaliação, um total de 39 trabalhos foram premiados em todo o mundo. Inspirando a sua marca da Estrela Polar, a estrela mais brilhante visível que guiou a humanidade por séculos, o Polaris Awards tem 21 categorias principais que vão desde campanhas de mídia social e móvel até captação de recursos e uso do humor na comunicação política.

Neste ano, as categorias Mídias Sociais, Campanha Digital, Melhor Uso de Humor e Melhor Campanha Móvel foram os segmentos mais atraentes do Prêmio Polaris para os participantes. ESPLANADA.agency, Karakoyun Strategies, Narva Communications, Roldan Carreon y Asociados, Campaigns and Technology, Future Crowders, Transcenda, The Conservative Party of Norway (Hoyre) e Inventum Group estavam entre os vencedores do Polaris ouro.

BRASILEIROS EM DESTAQUE:

Em ambas as edições dos Prêmios Polaris, profissionais brasileiros tem marcado presença entre os premiados. No ano passado o consultor Marcelo Weiss e a equipe da Tupy Company Comunicação, receberam o premio como Melhor Campanha Presidencial para TV, pelo trabalho realizado em São Tomé e Principe (Africa). Neste ano, Bruno Hoffmann e Cassiano Sampaio, da Esplanada Comunicação Estratégica, receberam Ouro na categoria Campanha de Social Media e Prata na categoria Campanha Digital.

Esta é a lista dos vencedores: 

  1. Uso Criativo de Dados / Analytics / Métricas 

Roldan Carreon y Asociados (Ouro)

DSPolitical (Bronze)

Espora (Bronze)

  1. Campanha de Fundraising

Inventum Group (Ouro)

BuzzMaker (Bronze)

  1. Campanha Mobile

Campaigns and Technology (Ouro)

Beylikdüzü Belediyesi (Prata)

  1. Campanha PR

Beylikdüzü Belediyesi (Bronze)

  1. Campanha de Relações Públicas

Narva Communications (Ouro)

  1. Campanha de Social Media

ESPLANADA.agency (Ouro)

Karakoyun Strategies (Ouro)

Narva Communications (Ouro)

Trascenda (Ouro)

Esparo (2 Bronzes)

Red Heart Strategies (Bronze)

  1. Campanha de TV

76 Words (Prata)

Arrow Communications Group (Bronze)

BuzzMaker (Bronze)

  1. Melhor uso de Humour

Beylikdüzü Belediyesi (Bronze)

  1. Melhor uso de Negativo & Contraste 

76 Words (Bronze)

Roldan Carreon y Asociados (Bronze)

  1. 10.Melhor Campanha Geral

Inventum Group (Ouro)

Conservative Party of Norway (Hoyre) (Prata)

Espora (Bronze)

Future Crowders (Bronze)

Manjgura (Bronze)

  1. 11.Melhor Websites

Inventum.Group (Ouro)

Tectonica Studios (Ouro)

  1. 12.Melhor Vídeo Web

Conservative Party of Norway (Hoyre) (Ouro)

Karakoyun Strategies (Ouro)

BuzzMaker (Bronze)

Espora (Bronze)

  1. 13.Campanha Digital

Future Crowders (Ouro)

Inventum.Group (Ouro)

DSPolitical (Prata)

ESPLANADA.agency (Prata)

DS Political (Bronze)

Red Heart Strategies (Bronze)

Profissionais de Marketing Político debatem a Reforma Política

14/02/2018

Clube associativo defenderá a Democracia e regras eleitorais mais justas

195824c1-324d-43f8-a99d-8571508a6aba

Um grupo formado por mais de 25 profissionais de Marketing Político provenientes de todas as regiões do País esteve reunido, em São Paulo (SP), esta semana. Na pauta do primeiro encontro, a formação de um clube associativo (denominado CAMP) e a Reforma Política.

Os consultores, estrategistas, jornalistas, publicitários e pesquisadores de diversas áreas deliberaram que é necessária a criação de uma entidade que atue permanentemente em defesa da Democracia, já que a atividade só pode ser exercida de forma plena em regimes democráticos. O grupo também entende que pode contribuir oferecendo um maior entendimento sobre o funcionamento da atividade profissional e na melhoria do sistema político-eleitoral.

Pela primeira vez, grandes nomes do setor – que já estiveram em gestões de governos, mandatos e campanhas políticas para a maioria dos partidos brasileiros – reúnem-se, de forma voluntária, para debater seriamente como a população pode ser beneficiada por regras mais claras e mais justas durante o período eleitoral. Uma Reforma Política mais conectada com a vontade popular e com a realidade do mercado.

15414f3c-5a47-4c8f-afb2-5c8e8cf766e8
CAMP – O CAMP será lançado em abril deste ano e espera reunir mais de 100 profissionais. O clube atuará para promover o aperfeiçoamento dos profissionais de Marketing Político, organizando eventos e valorizando o trabalho que desenvolvem em defesa da participação popular e da Democracia. O CAMP será apartidário, buscará diálogo com todos os partidos e esferas de poder.

Estiveram presentes na reunião Bruno Hoffmann, Cassiano Sampaio, Cila Schulman, Claudio Barretto, Daniel Machado, Dudu Godoy, Einhart Jácome da Paz, Expedito Pessoa, Fábio Bernardi, Fernando Vieira, Gil Castillo, Guillermo Raffo, Gustavo Fleury, Leandro Grôppo, Leo Velasquez, Leurinbergue Lima, Lincoln Xavier, Lula Guimarães, Marcelo Weiss, Maurício Moura, Renato Dorgan e Ricardo Amado.

A Culpa é do Emissor

25/10/2017

Este semana, o MarketingPolitico.com traz o artigo do Consultor Político Bruno Soller, com uma importante reflexão sobre posicionamentos para as eleições brasileiras em 2018. Ótima leitura! 

 

A CULPA É DO EMISSOR
por Bruno Soller

Nas últimas pesquisas de opinião pública quantitativas um fenômeno tem chamado a atenção da crítica especializada em política. Uma fórmula que parecia mágica, descoberta e sintetizada em uma frase pelo estrategista do ex-presidente norte-americano Bill Clinton, James Carville, de que era “a economia, estúpido” que relacionava o aquecimento econômico com as preferencias eleitorais parece não estar funcionando. Ao passo que a economia brasileira cresce, a popularidade do presidente diminui.

Como explicar esse movimento que parece atingir um dos preceitos do comportamento eleitoral em todo o mundo? Há uma hipótese. Nessa relação econômicoeleitoral existe uma peça chave chamada emissor. Aquele que emite a notícia. O responsável por trazer as boas novas. Aquele que precisa te passar credibilidade para você comprar o produto. É o coração da marca.

Em 1975, num dos primeiros testes de neuromarketing experimentados no mundo, a Pepsi Cola inventou a prática do teste cego, era o “Desafio Pepsi”. Ou seja, algumas pessoas selecionadas qualitativamente, reuniam-se numa sala e experimentavam vendados um copo de Pepsi e um outro copo de Coca-Cola, sem terem a mínima ideia de qual era qual. No final do teste, um resultado animou os idealizadores: 50% preferiam a Pepsi e 50% preferiam a Coca. Para quem tinha um mercado tão menor, não fazia sentido que se as pessoas gostavam de ambas do mesmo jeito porque na hora de comprar elas optavam pela Coca-Cola.

Muitas teorias se levantaram, se era porque no início a Pepsi era mais doce e por isso agradava o paladar de imediato, se havia alguma diferença na sensação térmica que cada uma causava – inúmeras teses foram testadas e nenhuma tirava uma conclusão precisa. Em 2011, o mistério parece ter sido resolvido. Repetido o teste, repetiu-se o resultado. No final, o pesquisador resolveu fazer as pessoas experimentarem novamente, mas dessa vez, sabendo o que elas estavam tomando, mostrando os rótulos, e daí o resultado foi: 75% preferiam a Coca-Cola e 25% a Pepsi.

Foi feita uma imersão com as pessoas para entender o porque dessa mudança. Daí viu-se a importância do que é a marca. A Coca-Cola representava valores, representava a ideia de uma família unida no Natal, de alegria, de felicidade, remetia à infância, aos cuidados maternos, a uma série de sensações que estão no íntimo do ser humano e que pouco importava se o sabor dela fosse o mais agradável ao paladar.

O ponto mais importante da pesquisa é que quando as pessoas são informadas sobre o emissor, ou seja se bebiam Coca ou Pepsi, houve uma mudança na localização da atividade cerebral. Além do putâmen ventral, houve fluxos sanguíneos registrados no córtex pré-frontal, que é uma parte do cérebro, responsável entre outras coisas pelo raciocínio e discernimento mais complexos.

Nessa linha, fazendo um comparativo com o Brasil de hoje, é muito provável que estamos tomando a Pepsi, ou seja, o sabor das coisas está no caminho correto, o problema é que elas não nos dizem nada. O Brasil veio de uma crise econômica extremamente séria, que gerou uma quantidade enorme de desempregados e problemas sociais graves, como a possível reentrada no mapa da fome, além do aumento da violência urbana, que tem tirado o sono dos cidadãos. Mas, em 2017, o país começa a apresentar uma leve recuperação econômica e os prognósticos para 2018 são animadores, com previsão de crescimento de até 3% do PIB.

Nota-se, no entanto, quando acompanhamos grupos de pesquisa qualitativa, que há uma desconfiança gigantesca das pessoas com o andar da carruagem. Elas tem dificuldade em aceitar que este governo possa estar fazendo algo de bom. Mesmo, por exemplo, quando houve a liberação do FGTS, algo que atingiu positivamente e diretamente as pessoas, elas ficavam incrédulas, esperando qual seria a “maldade” que viria na sequencia.

É recorrente ao questionar os participantes sobre a figura do presidente, respostas de repulsa, de comparações com vampiro e com coisas que levam a sensações ruins. O enredo em torno do presidente causa esse tipo de reação nas pessoas, seja pelos envolvimentos nos escândalos, seja por sua própria aparência ou pela maneira como se tornou presidente (apesar da maioria ter aprovado o impeachment, o processo é desgastante e gera dúvidas sobre fidelidade e comportamento). É o emissor desgastado.

As reformas, os ajustes fiscais, o teto dos gastos, tudo isso tem uma razão a ser feita e, tirando a crítica ideológica, são aceitos pela maioria das pessoas que tem a compreensão dos problemas econômicos que o país enfrenta. As classes mais baixas, apesar de não terem votado nesse modelo econômico e terem se sentido traídas ainda pela presidente Dilma Rousseff com algumas dessas medidas, entendem que a crise é séria e são necessárias mudanças. Não obstante, vejamos que essa mesma linha econômica tem sido adotada pelo presidente argentino Macri, que acabou de ter uma vitória esplendorosa contra sua principal oponente, Cristina Kirchner, neste final de semana, nas eleições legislativas.

Não que as pessoas vão começar a gostar das reformas, mas com absoluta certeza vão gostar dos resultados que elas deverão trazer. Por mais impopular que parecem elas poderão gerar um interessante fenômeno em 2018. Uma aprovação do governo e uma rejeição ao governante. Em 2014, o Rio de Janeiro viveu algo semelhante. O ex-governador Sergio Cabral estava no auge da impopularidade após as gravações da Máfia dos Guardanapos e mesmo assim conseguiu eleger seu sucessor, o atual governador Pezão. Em que pese toda a crítica e raiva da população contra Cabral, o governo tinha boas realizações para mostrar. Quando alterou-se o emissor, Pezão virou o dono das boas novas e a população resolveu abraçar sua candidatura, concedendo-lhe o cargo de governador.

Dessa forma, fica mais claro entender alguns movimentos de candidatos do centro, principalmente Geraldo Alckmin e João Dória Jr., de preservarem as críticas ao governo e defenderem as medidas macroeconômicas tomadas. O cálculo é que 2018 está chegando, o país deve conseguir um crescimento razoável, a economia reaquecer, as famílias retomarem poder de compra com mais crédito no mercado e inflação controlada, e a grande oportunidade que há é de manter as conquistas, trocando aquele que “atrapalha” o processo, o atual emissor.

Bruno-Soller
Bruno Soller.

Sócio da Travessia Estratégia. Consultor político e especialista em pesquisas.

A Identidade do Eleitor, artigo de Ralph Murphine

11/04/2017

Por trás dos cabelos grisalhos, dos 50 anos de profissão comemorados em 2017 e das infinitas milhas percorridas pelo mundo, sempre atrás de onde haja uma boa campanha eleitoral, esconde-se um sábio com energia de menino, cheio de entusiasmo e com uma visão extraordinária sobre o futuro. Esse é Ralph Murphine, o consultor de vários presidentes e que escolheu a América Latina como seu lar. Tenho uma admiração e gratidão infinitas por ele, tanto pelo profissional, quanto pelo ser humano que é, sempre disposto a compartilhar seus conhecimentos. Para homenagear essa figura ímpar, deixo aqui um de seus recentes artigos, publicado originalmente na excelente Revista Beerderberg. Agradeço ao Xavier Peytibi – que também é citado no artigo de Ralph – pela gentileza de autorizar a sua publicação aqui no MarketingPolitico.com, em português.
No artigo, Ralph se refere ao ebook de Xavier Peytibi, Seis historias que explican el triunfo de Donald Trump, que você pode baixar aqui: www.xavierpeytibi.com.
Boa leitura!

impressão-digital.jpg

A IDENTIDADE DO ELEITOR

Ralph Murphine

Em um recente ebook denominado “Seis histórias que explicam o triunfo de Donald Trump”, Xavier Peytibi oferece um olhar brilhante e multidimensional da evolução da vida política nos Estados Unidos. Em um exemplo de dissonância cognitiva, meu entusiasmo pelo seu trabalho se baseia em estar de acordo com o que creio que é um conceito fundamental na vida política e na comunicação política: a multidimensionalidade.

Por essa razão, um dos livros mais importantes sobre o pensamento político, em minha opinião, é uma obra do professor Harry Weinberg, Levels of Knowing and Existence: Studies in General Semantics (1959). Sua desconhecida fama (um oxímoro) se produz pela suposição de que o livro contém uma explicação de algumas das ideias da semântica geral inicialmente teorizada por Alfred Korzybski em seu livro Science and Sanity (1933). Contudo, creio que o trabalho de Weinberg tem um valor independente, não apenas pela sua acessibilidade e capacidade de entendimento, mas também porque (em termos modernos) é mais fácilmente aplicável ao “mundo real”.

Se me permitem, quero apontar uma extensão menor de um dos conceitos weinberguianos: a identidade. A ideia é tecida proeminentemente através do texto de Peytibi. No mundo político, a identidade está em constante conflito com a multidimensionalidade. A pressão para reduzir a complexidade à simplicidade é enorme. Na política e no governo, ainda, pode causar um grande dano.

Na análise original de Korzybskian, um ponto importante sobre a identidade se expressa na frase “O mapa não é o território”. Em termos políticos, a aplicação de uma identidade arbitrária geográfica, demográfica, psicográfica, filosófica ou de outra índole (identidade como mapa) a um eleitor ou a um grupo de eleitores, não significa que a identidade exista como uma realidade políticamente produtiva. A categorização é um exercício útil que ajuda no estudo de objetos heterogêneos. Não é um indicador confiável do pensamento ou atividade humana individual.

Alguém que compreendeu bem este conceito foi o filósofo francês Michel Foucault. Segue aqui um parágrafo do prefácio se seu livro, As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas.

Este livro surgiu pela primeira vez de um texto de Borges. Do riso que sacode, ao lê-lo, tudo é familiar ao pensamento – ao nosso: ao que tem nossa idade e nossa geografia -, transformando todas as superfícies ordenadas e todos os planos que ajustam a abundância de seres, provocando uma grande hesitação e inquietude em nossa prática milenar do Mesmo e do Outro. Este texto cita “uma certa enciclopédia chinesa” onde está escrito que “os animais se dividem em: (a) pertencentes ao imperador, (b) embalsamados, (c) adestrados, (d) leitões, (e) sereias, (f) fabulosos, (g) cães de rua, (h) incluídos nesta classificação, (i) que se agitam como loucos, (j) incontáveis, (k) desenhados com pincel fino de pelo de camelo, (l) etcétera, (m) que acabam de quebrar o vaso, (n) que de longe parecem moscas.” No assombro desta taxonomia, o que se vê de imediato, o que, por meio desta fábula, se nos apresenta como encanto exótico de outro sistema de pensamento, é o limite do nosso, a crua impossibilidade de pensar isso. 

Observe-se que estas categorias, estabelecidas pelo autor da enciclopédia chinesa, em grande parte existem no mundo real. A questão não é sua existência, é sua utilidade. A aplicação arbitraria de uma identidade definida externamente a grupos e seres humanos pode ter um valor físico ou filosófico. Os “jovens” não são “velhos” (demografia). As pessoas “urbanas” não são “rurais” (geografia). Os “conservadores” não são “esquerdistas” (ideologia). Os “democratas” não são “republicanos” (política). E assim, Antoní Gutierrez-Rubi me perdoa, “millennials” não são “baby boomers” (marketing).

A criação (definição) dessas identidades externas é um negócio em crescimento. Que triste que muitos líderes políticos são suficientemente ignorantes para crer que representam o mundo real.

Dizem: “Necessitamos envolver mais mulheres na campanha!” Mas, em termos políticos, as “mulheres” não existem. Assim como os “homens”, as mulheres têm opiniões amplas, profundas, às vezes contraditórias sobre a vida, sobre si mesmas, sobre suas famílias, sobre suas comunidades y – surpresa – sobre a política. Mais especificamente, “os eleitores da Carolina do Norte” não existem politicamente. A confusão entre o mapa de identidade de grupo e a realidade de um voto pessoal é quase universal.

Ah, foi a mudança de votos das mulheres entre 30 e 40 anos de idade, com educação secundária, que vivem em “swing states”, que haviam votado por Romney, mas que disseram nos grupos de discussão que tinham medo dos banheiros transgêneros, que mudou o sentido do voto. Um acúmulo arbitrário de categorias humanas é igualmente inútil.

Ah, Ralph, mas há “tendências”! Sim. E existem uma porção de xamãs no mundo, preparados para interpretar as folhas de chá (ou o vôo das aves até o norte, ou as pesquisas de opinião pública) por uns honorários não tão modestos.

Esta definição artificial, linear, estática (identidade) dos grupos de cidadãos, dos eleitores e das pessoas envolvidas na distribuição do poder entre os seres humanos é um hábito difícil de mudar. O resultado é uma repetição do debate teológico teórico que alguma vez tiveram os Padres da Igreja: quantos anjos podem dançar na cabeça de um alfinete?

Deveríamos cancelar as pesquisas nas ciências sociais e política? Não. O que devemos entender é que as categorias, divisões, agrupamentos e segmentos encontrados ou utilizados para tratar de entender os humanos não são premonitórios. Diferentemente da ciência “pura”, não necessariamente se pode replicar os resultados de uma medida tomada com base nos resultados da pesquisa (ou de uma infinidade de mecanismos de investigação social).

Então, a probabilidade conta? Sim. Porém, não pode depender, com confiança, das prováveis ações políticas (votos) de velhos e arbitrários agrupamentos de eleitores.

Se pode identificar o equivalente político dos “cães de rua” ou dos “animais que pertencem ao imperador” do prefácio de Foucault. Não obstante, cada candidato, cada partido, cada eleição, em cada área geográfica, se reorganiza automaticamente, reagrupa, reclassifica aos membros de cada eleitorado. Impor velhos segmentos a novos eleitores é perder eleições. Tenha em conta também que simplesmente chamar de outro modo aos antigos segmentos também não funciona.

Em um mundo cada dia mais dependente da Internet, onde fazer parte de uma rede social é um hábito que cresce rapidamente, é difícil entender a insistência de categorizações velhas e pouco confiáveis.

Cuidado! O Facebook desenvolveu uma forma de ler e analisar as comunicações por correio eletrônico (sem a identificação do remetente ou do receptor). Os usuários, com obstinada determinação, rapidamente segmentam as mensagens (incluindo os trolls) por conteúdo. “Uma pessoa que envia um email crítico ao Presidente, provavelmente votará contra o Presidente”. Este é um exemplo quase perfeito do poder o pensamento linear e não multidimensional.

Muito mais valioso é o já velho sistema multidimensional de algoritmos do “Big Data”, mas atualizado e melhorado diariamente por um grande número de especialistas mundiais em tecnologia da informação, incluindo o Facebook.

O número de categorias de pensamento político definindo a identidade dos eleitores no presente e o número de categorias de potencial ação política futura por esses eleitores devidamente identificados tem aumentado geométrica e logaritmicamente, pela troca de opiniões na Internet.

O desafio é levar os líderes políticos ao reconhecimento desta mudança como parte integral do século XXI: onde estão e como são os eleitores que necessitam para ganhar y manter o poder político. Infelizmente, Seis histórias para entender o triunfo de Donald Trump mostra ainda a distância a se percorrer nos Estados Unidos.