Pular para o conteúdo

Entrevista de Gil Castillo para a Revista ACOP (Espanha)

26/04/2019

Uma honra o convite de Eduardo G. Vega, editor da Revista ACOP – Asociación de Comunicación Política, da Espanha, para ser entrevistada pela Gabriela Ortega, sub-diretora dessa importante publicação, que acabou de receber um Napolitan Victory Award. Vamos reproduzir aqui no MarketingPolitico.com uma parte da entrevista e também colocar o link para baixar gratuitamente a edição completa da Revista, que tem ótimo conteúdo sobre Marketing e Comunicação Política. Espero que gostem. Boa leitura! Gil Castillo

ENTREVISTA A GIL CASTILLO, POR GABRIELA ORTEGA:

Consultora Política, directora de la consultora Tupy Company. Primera pre- sidenta de la ALACOP (Asociación Latinoamericana de Consultores Políti-cos), miembro del Politicom (Sociedade Brasileira de Profissionais e Inves- tigadores de Marketing e Comunicação Política), miembro fundadora del CAMP (Clube Associativo dos Profissionais de Marketing Político – Brasil) y editora del MarketingPolitico.com.

¿Qué significa para usted la consultoría política?

Soy de una generación que a mediados de los años 80 y comienzos de los 90, vivió la apertura del proceso de democra- tización de Brasil al mismo tiempo que empezaba una carrera como publicista. Vivir estas dos miradas conjuntamente con mi pasión por la política, me ayudó a tener una visión muy especial sobre qué es la consultoría política y cómo debe ser siempre una herramienta de defensa y construcción de los procesos democráticos. En términos prácticos, es un trabajo de coordinación estratégica de un proyecto, donde se involucran distintos profesionales, expertos en sus áreas de actuación, donde el astro del show debe ser siempre el candidato. La consultoría política es 100 % “transpiración”.

Y en Brasil, las últimas elecciones vimos cómo Jair Bolsonaro ganó de-safiando al manual de comunicaciónpolítica, por ejemplo, hablando de temas controvertidos como la igualdad de género u homosexuales ¿Cómo se vive la comunicación política desde que Bolsonaro es presidente? ¿Ha habido cambios?

Para comprender el fenómeno Jair Bolsonaro es preciso analizar su elección considerando un escenario completamente atípico, pautado por un profundo rechazo a la clase política y al tema corrupción. Un proceso que comenzó en 2013, con las primeras manifestaciones de repudio al gobierno, seguida por el impeachment de Dilma Rousseff, escándalos diarios decorrupción y lavado de dinero expuestos por la Operación “Lava Jato”. El período pre y electoral también fueron marcadospor situaciones que interfirieron en el curso de las elecciones tales como ver a Lula da Silva preso intentando judicialmente registrar su candidatura hasta el último momento y el atentado a la vida de Bolsonaro, al inicio de la campaña. Todos estos y otros elementos, incluyendo un gran rechazo al PT, trajeron una radicalización del discurso con crecimiento de un pensamiento con- servador, exponiendo temas controvertidos como la cuestión de la homosexualidad, de género, entre otros tantos. El hecho es que esta fue la elección “del contra”, los candidatos que fueron a la segunda vuelta, Hadad y Bolsonaro, llegaron ambos con más del 40 % de rechazo, algo inédito en una elección brasileña. Una encuesta realizada por el Instituto RealTime, en vísperas de la votación, apuntaba como principal motivo para votar por un candidato la posibilidad de exclusión del otro. Un 38 % votaría en Haddad para evitar que Bolsonaro llegase al poder, mientras que el 36 % en Bolsonaro para evitar la victoria de Haddad. En medio de todo esto, hubo una fuerte presencia de las redes sociales, especialmente en WhatsApp, marcadas también por la diseminación de fake news.
Una investigación sobre las elecciones presidenciales de 2018 y el uso del Whatsapp, realizada por la UFMG (Universidad Federal de Minas Gerais), por la USP (Universidad de São Paulo) y la Agencia Lupa, llegaron a concluir que el 56 % de los mensajes políticos que circularon por mensajes en móviles y redes sociales o eran falsos o tenían contenido distorsionado. Y de la misma manera, hay hechos similares sucediendo en varios países del mundo.
Así que, respondiendo a la pregunta, la rapidez de la propagación de la información, el combate a las informaciones falsas, el sentimiento de miedo y rabia que han aparecido en las encuestas, además de los extremismos del discurso, para mí, son los mayores desafíos de las campañas electorales hoy en día. Es preciso estar atentos y muy rápidos en las respuestas porque la dinámica de los procesos electorales ha cambiado.

Ha trabajado en distintos paí- ses y continentes, ¿cuáles son las principales diferencias entre las campañas de Sudamérica y África?

Desde mi punto de vista, la principal diferencia está en la calidad de los procesos democráticos en función de cuestiones históricas, al menos en los países con los que tuve contacto directo con el tema. América Latina ha llegado a hoy pasando por olas de cambios políticos y sociales más o menos iguales, con la cuestión de las luchas por la independencia y la construcción de identidades nacionales desde hace bastante tiempo. Después, muchos de nuestros países pasaron por períodos de dictadura, seguidos por procesos de apertura democrática, lo que nos hace, en la gran mayoría, democracias más consolidadas.
Ya en los países africanos, esas olas se llevaron a cabo en la otra dirección y las antiguas colonias de Portugal, por ejemplo, con quien tuve más contacto, han tenido sus independencias hace muy poco tiempo. Mozambique, Angola y Santo Tomé y Príncipe, consiguieron su independencia en 1975, después de una guerra contra Portugal. A continuación, algunos de esos países pasaron por guerras civiles, fruto de la división política generada por la Guerra Fría, que solo acabaron a principios de los años 90. Todo esto es muy reciente. Cuando usted va a trabajar en una campaña electoral en esos países, hay que entender que el juego no será igual para gobierno y oposición. Todavía hay la confusión entre lo que es partido del gobierno y lo que es el Estado, control de los medios de comunicación, gobiernos que están en el poder desde la independencia, etc. Muchos de los partidos más tradicionales, incluso de la oposición, nacieron como fuerzas de guerrilla y poseen brazos armados, entonces la cuestión de la “paz” acaba convirtiéndose en un tema fuerte. Se trata de ir colocando un granito de arena más en la dirección de sociedades más democráticas a cada proceso electoral, haciendo que fuerzas de oposición y gobierno construyan un escenario más plural y más libre. Desde el punto de vista estratégico y de comunicación, es importante observar que los proyectos en África se construyen de manera semejante a la que los construimos en América Latina, utilizando las mismas herramientas. Pero a menudo, se necesita driblar algunas barreras: la realización de encuestas de opinión, por ejemplo, es más difícil en función de cuestiones logísticas, muchas personas todavía temen a hablar sobre temas políticos, también hay cuestiones culturales e incluso lingüísticas. En Mozambique, por ejemplo, a pesar de que el portugués es el idioma oficial, solo el15 % de la población lo habla como primera lengua. La gran mayoría de la gente habla las diversas len- guas locales que existen en el país como lengua materna; son lenguas ancestrales que moldean la cultura o el comportamiento del pueblo. Así que, en primer lugar, hay que sumergirse y entender la cultura local.

PARA LER A ENTREVISTA COMPLETA E TAMBÉM OUTROS ARTIGOS, BAIXE A REVISTA ACOP AQUI>> WWW.COMPOLITICA.COM

Anúncios

“O modelo de financiamento e a democracia” – artigo do Presidente da ANJ

04/04/2019

O Presidente da ANJ – Associação Nacional de Jornais, Marcelo Rech, recentemente publicou um artigo no O Globo que trata de um tema muito importante: a relação saudável entre o modelo de financiamento dos veículos de comunicação no Brasil e a Democracia. Reproduzimos o texto abaixo. Boa leitura!

O MODELO DE FINANCIAMENTO E A DEMOCRACIA

O leitor sabe que a liberdade de expressão é um dos pilares da democracia. Sabe igualmente que existe uma linha direta — direta mesmo — entre a publicidade e a liberdade de expressão.

É a publicidade quem financia todos ou grande parte dos custos necessários à operação de jornais, revistas, emissoras de rádio e TV, sites e redes sociais. Sema receita originada na publicidade, restaria aos veículos de comunicação dois caminhos: majorar significativamente os seus preços de venda aos consumidores — no caso dos jornais e revistas, por exemplo, o preço de capa ou o valor da assinatura teria de ser multiplicado por três ou mais — ou financiar suas operações por meio de recursos públicos, algo que ocorre em países de governos autoritários. Em regimes assim, certamente não por coincidência, não há liberdade de expressão.

O que o leitor talvez não saiba é que, no Brasil, esta ligação benfazeja entre publicidade e democracia, via financiamento da liberdade de expressão, funciona tão bem, há tantos anos, graças ao modelo brasileiro de negócios de publicidade. Vamos falar um pouco sobre ele.

Nosso modelo é quase centenário, guarda relação com os mercados mais vigorosos do mundo e se apoia na existência de agências de publicidade capazes de planejar, criar e veicular em jornais, revistas e outros meios de comunicação as campanhas demandadas por anunciantes de todos os setores. Parece simples, e é simples.

O modelo surgiu e evoluiu de forma natural, apoiando-se nas melhores práticas e tirando proveito da especialização das agências de publicidade, apurada pela feroz concorrência entre elas. Agências, é importante que se diga, prosperam na medida em que dominam um conjunto de técnicas refinadíssimas e muito dinâmicas e acumulam experiências, interagindo com prestadores de serviços igualmente especializados, como uma produtora de vídeo, por exemplo. Claro que um anunciante pode, ele próprio, planejar, criar e veiculara própria publicidade, mas precisaria para isso reunir vários profissionais especializados, adquirir uma grande quantidade de pesquisas e acumular experiências de forma sistemática, bem distantes do seu objetivo principal: fabricar um determinado produto, por exemplo. Teria esta empresa demanda para estes profissionais a ponto de justificar a contratação deles ao longo do tempo? Certamente não. Seria um desvio de foco, equivalente, por exemplo, a empregar uma equipe de médicos e enfermeiros em caráter permanente para atender no ambulatório da empresa. Por isso, não é exagero dizer que 99% das empresas anunciantes optam por transferir estas responsabilidades a uma agência, como definida pelo modelo brasileiro de publicidade, capaz, repito, de planejar, criar e veicular campanhas.

Há 20 anoso modelo brasileiro de publicidades e beneficiada atuação do Conselho Executivo das Normas-Padrão, o Cenp, uma importante iniciativa abraçada por anunciantes, agências e veículos por meio de autor regulação. Com o Cenp, criou-se um fórum de discussões técnicas e comercia isque acelerou a difusão das boas práticas. Com ele, concede-se a Certificação de Qualificação Técnica às agências conforme a legislação e, num processo ainda em curso, contribui-se para apararar muitas arestas decorrentes do rápido crescimento das mídias digitais, o que gerou ondas de impacto para a publicidade e a comunicação.

Além disso, o Cenp tem oferecido ao mercado uma série de serviços, como o credenciamento de pesquisas e informações de mídia — peças essenciais para o bom funcionamento da publicidade — e a divulgação de listas de preços de veículos de todo o país. O Cenp é uma demonstração vigorosa das virtudes do modelo brasileiro de publicidade e da capacidade de zelar pelos próprios caminhos, contribuindo para o desenvolvimento do mercado consumidor brasileiro.

No momento em que as expectativas em relação ao futuro se renovam, nada melhor do que lembrar as virtudes deste modelo vencedor para a economia e a democracia.

Leia a publicação original no site da ANJ: www.anj.org.br

Brasília recebe Fórum Internacional de Comunicação Política em Abril

13/03/2019

O Fórum Internacional de Comunicação Política, que será realizado nos dias 11 e 12 de abril, em Brasília, é um evento que reúne diversos profissionais super destacados no Brasil, América Latina e Europa para a promoção de palestras incríveis sobre pesquisa, estratégia e comunicação política, além da formação de painéis para discussões mais diretas, aprofundadas e interativas sobre a comunicação política e seu entorno.

O FINCOP é um espaço para reunir consultores políticos, representantes do executivo e legislativo, jornalistas, pesquisadores, estudantes e demais profissionais interessados em conhecer o que há de melhor no mundo da comunicação política.

Entre os palestrantes estão consultores internacionais como Antonio Sola (Espanha), Daniel Ivoscus (Argentina), Yago de Marta (Argentina), Roberto Trad (México), Amaury Mogollón (Venezuela), Camilo Severino (Equador), Fernando Dopazo (Argentina). Já entre os brasileiros, consultores renomados, com destaque para Lula Guimarães, Bruno Hoffmann, Marcelo Weiss, Otávio Antunes, Fred Perillo, Paulo Rezende, Karina Kufa e Gil Castillo, além de políticos e representantes de instituições da sociedade civil.

Crise de governo, construção de imagem, opinião pública, participação feminina, engajamento dos jovens, novas tecnologias, redes sociais, movimentos de renovação política, transparência, pesquisa, estratégia, mobilização e comunicação serão os principais temas abordados durante os dois dias do FINCOP.
Para maiores informações e inscrições, acesse: www.fincop.com.br

Alacop rechaza la detención de Luis Carlos Díaz

12/03/2019

O MarketingPolitico.com apoia o comunicado da ALACOP – Associação Latino-Americana de Consultores Políticos, em solidariedade à AVENCOPOL – Associação Venezuelana de Consultores Políticos, repudiando a prisão do jornalista, consultor político e membro da AVENCOPOL, LUIS CARLOS DÍAZ.
LEIA O COMUNICADO ABAIXO, EM ESPANOL:

Comunicado de ALACOP sobre la detención del Consultor Político y Periodista LUIS CARLOS DÍAZ

La Asociación Latinoamericana de Consultores Políticos (ALACOP), rechaza la detención y previa desaparición del Consultor Político y Periodista, LUIS CARLOS DÍAZ, ocurrida el día de ayer en Venezuela y exige su inmediata liberación y plena libertad.

Adherimos enfáticamente el comunicado de la Asociación Venezolana de Consultores Políticos (AVENCOPOL) y hacemos un llamado al restablecimiento del orden democrático y el respeto a los derechos humanos en Venezuela.

Para ler o comunicado completo, em espanhol, baixe o arquivo PDF, em espanhol:

Seminário em Brasília debaterá os novos rumos da comunicação política

14/02/2019

Em tempos de grandes mudanças na maneira de ser fazer comunicação política, Brasília sediará o REBOOT – Seminário de Marketing Político e Comunicação – que reunirá nos dias 25 e 26 de fevereiro, no Teatro Brasília Shopping, renomados especialistas e estrategistas do Brasil e Argentina para discutir o momento disruptivo por que passa o marketing político no país e no mundo.

O evento tem o objetivo de realizar uma imersão – ao mesmo tempo prática, com muitos cases e experiências de sucesso, e teórica – a partir de palestras, painéis e debates através dos quais os participantes compreenderão o momento atual do marketing político e projetarão as tendências para 2019. Serão dois dias de aprofundamento sobre temas que norteiam a política como a comunicação, o marketing e as novas tecnologias. “O Reboot é um projeto ousado da Agência Nuvem que saiu do papel para a concretização em tempo recorde. É preciso deixar claro que não é um evento de cunho de eleitoral, pelo contrário, ele visa debater o marketing político permanente e a comunicação institucional”, disse o diretor da Agência Nuvem, Fred Perillo.

Entre os palestrantes estão a líder de projetos digitais e estrategista Jimena Rosli, que vai abordar a sua experiência na comunicação do Cambiemos, na Argentina, e apresentar cases da campanha eleitoral e do mandato do presidente Maurício Macri, em 2015, da qual participou; Bruno Scartozzoni, especialista em storytelling, que vai falar sobre a importância e desafios do storytelling na comunicação política; Gabriel Ishida, cujo painel vai abordar o uso e a inteligência de dados na comunicação política; e Eden Wiedemann, cuja palestra irá tratar de mobilização, ativação, engajamento e resultados. Entre os painéis estão o de Patrícia Roedel, que irá falar sobre o desafio de transparência na Câmara dos Deputados e de Leandro Grôppo, que foi responsável pelo marketing na campanha vitoriosa de Romeu Zema ao Governo de Minas Gerais.

O Reboot ainda terá o painel Elas No Poder, sobre a participação das mulheres na política, um debate entre parlamentares com diferentes posições ideológicas, mediado por Sandro Gianelli, e uma mesa final com representantes do CAMP, que é o Clube Associativo dos Profissionais de Marketing Político, e que apoia institucionalmente o evento. “O seminário irá discutir, na essência, como políticos e instituições públicas podem criar estratégias de comunicação, engajamento e relações duradouras e eficientes com seus stakeholders” finalizou Perillo.

Reinicie seus conhecimentos sobre marketing político. As inscrições estão abertas e podem ser realizadas através do site www.seminarioreboot.com.br .

O Reboot tem o apoio institucional do CAMP (Clube Associativo dos Profissionais de Marketing Político) e parceria com Digitalks.

Serviço

REBOOT – Seminário de Marketing Político e Comunicação

Data: 25 e 26 de fevereiro de 2019

Local: Teatro Brasília Shopping

(SCN Quadra 05 Bloco A – Asa Norte)

Inscrições e programação completa:

www.seminarioreboot.com.br

1º Seminário do CAMP: Estratégia, Comunicação e Democracia

20/12/2018

As lições de 2018 e o papel das instituições e dos profissionais de marketing político no fortalecimento da Democracia brasileira
 Data: 12 e 13 de Dezembro de 2018
 Local: Hotel Kubitscheck Plaza, Brasília, DF.
PROGRAMA
DIA 12 DE DEZEMBRO (Qua)
7:30 – 8:30: Registro de participantes
8:30 – 9:30: Abertura do Evento
Para a abertura do nosso evento convidamos representantes institucionais dos Três Poderes e do terceiro setor. O CAMP tem como missão ser plural e dialogar com todos eles, sempre com o foco no fortalecimento das instituições e da Democracia. Nomes que confirmaram presença:
PODER LEGISLATIVO
Secretário-Geral da Mesa do Senado Federal | Exmo. Sr. Luiz Fernando Bandeira
Secretário-Geral da Mesa da Câmara dos Deputados | Exmo. Sr. Leonardo Barbosa
TERCEIRO SETOR
Presidente do IRELGOV | Bruno Perman
Presidente do CAMP | Bruno Hoffmann
9:30 – 11:00: Eleições 2018: uma análise de conjuntura de País, candidatos e eleitorado
Antonio Lavareda | Cientista político e presidente do conselho do IPESPE
Maurício Moura* | Economista e CEO da Ideia Big Data
Lucas de Aragão | Sócio da Arko Advice e Mestre em Ciência Política
Moderação: Fernando Vieira* | Sócio da IV5 Inteligência e Diretor Sudeste do CAMP
11:00 – 12:30: Fake News e a Onda das Campanhas Negativas no Brasil
Karina Kufa | Coordenadora Jurídica da Campanha do Jair Bolsonaro e Professora Coordenadora da Pós em Direito Eleitoral do IDPSP
Mateus Netzel | Jornalista, Secretário de Redação e editor-assistente do Poder360
Ricardo Noblat | Jornalista, mantém o Blog do Noblat no portal da Veja
Vitor Colares* | Diretor Central de Imprensa da Prefeitura de Belo Horizonte e Assessor de Imprensa do prefeito Alexandre Kalil
Moderação: Cila Schulman*VP da Ideia Big Data e VP de Conhecimento e Marketing do CAMP
 
12:30 – 14:30: Break para almoço
14:30 – 16:30: A campanha eleitoral para Presidente da República de 2018
Ely Menezes | Membro sênior da equipe de comunicação do João Amoêdo
Lula Guimarães* | Responsável pela comunicação do Geraldo Alckmin e VP de Relações Institucionais do CAMP (participação em vídeo)
Otavio Antunes | Membro sênior da equipe de comunicação do Fernando Haddad
Moderação: Dudu Godoy* | VP Executivo da NBS e VP Administrativo do CAMP
16:30 – 17:00: Coffee Break 
17:00 – 18:30: Reforma política-eleitoral: regras mais claras e democráticas, o papel da comunicação e compliance eleitoral
Carlos Eduardo Frazão | Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados, foi secretário-geral do TSE
Lucio Rennó | Professor do Instituto de Ciência Política da UnB e Presidente da CODEPLAN
Luís Inácio Adams | Ex-Advogado-Geral da União, é sócio das práticas de Contencioso, Arbitragem e Compliance do Tauil & Chequer Advogados
Moderação: Bruno Hoffmann* | Presidente do CAMP
DIA 13 DE DEZEMBRO (Qui)
9:00 – 10:30: A TV e o rádio frente o poder das novas mídias na política
André Gomes* | Membro sênior da equipe de comunicação do Gov. Eleito João Doria (SP)
Cassiano Sampaio* | Partner da ESPLANADA Comunicação Estratégica e Conselheiro do CAMP
Justino Pereira* | Associate Senior Consultant da De Vengoechea & Associates e Diretor Sudeste do CAMP
Ricardo Amado* | Responsável pela comunicação do Gov. Eleito Helder Barbalho (PA) e Diretor Centro-Oeste do CAMP
Moderação: Hélio Doyle* | Jornalista e sócio da WHD Editora e Comunicação
10:30 – 12:00: Renovação Política em 2018: Conjuntura ou participação cívica?
Izabella Mattar | Co-fundadora e diretora-executiva do RenovaBR
Leandro Grass | Deputado Distrital eleito (REDE-DF)
Leandro Groppo* | Responsável pela comunicação do Gov. Eleito Romeu Zema (MG) e Diretor Sudeste do CAMP
Tiago Mitraud | Deputado Federal eleito (NOVO-MG)
Moderação: Marcelo Weiss* | Diretor da Tupi Company, Diretor da ALACOP no Brasil e Conselheiro do CAMP
12:00 – 12:30: ENCERRAMENTO DO EVENTO
PODER EXECUTIVO
Ministro de Estado de Minas e Energia da República Federativa do Brasil | Exmo. Sr. Moreira Franco
12:30 – 13:00: Agradecimentos e próximos passos do CAMP
Diretoria do CAMP

O Poder do Digital nas Eleições 2018: O que foi isso?

20/12/2018

Nas últimas eleições, o Digital se mostrou decisivo nas campanhas brasileiras e vem tomando um espaço cada vez mais importante na comunicação política em todo o mundo, num processo que tem deixado mais perguntas do que respostas. O poder do digital nas últimas eleições.

  • Qual a abrangência dos canais digitais nas eleições?
  • Os meios de comunicação tradicionais perderam eficiência?
  • O que motiva o eleitor a votar?
  • Qual o impacto das “fake news” no processo eleitoral?
  • A campanha é permanente?

Para debater esse tema, o Digitalks convocou um time de profissionais da área de comunicação e marketing político, juristas, além de veículos de comunicação, políticos e instituições de formação política, todos com grande experiência em processos eleitorais para ajudar a entender esse momento, apontando novos caminhos.

Data: 17 de dezembro
Horário: 8h às 18h